sexta-feira, 29 de julho de 2016


Decidi
Tomar as régias do mundo,
Para isso, aparei as minhas asas
E, então tudo para mim ficou confuso...

Poeta que é poeta,
Não tem os pés no chão
E nem é desse mundo
Isso é estranho e profundo...

Poeta chora mais, 
Quer mais e sofre mais, 
Por querer tanto, 
Quer sempre mais....

É um fardo, 
Que se tornar flor, 
Fantasia, loucura e no final delírio de amor...

E por fim, acaba por cobrir as suas dores 
Com profundas metáforas.
E sem ao menos saber  nadar,
Descreve todos os encantos do mar,  
Que o mais profissional mergulhador 
Não saberia definir tão bem assim, 
Pois só os poetas mergulham com as sereias 
E seus fortes são de areia...

Decepcionei-me ao descobrir 
Que nada sou sem as minhas asas
Poeta sem as asas
É Coração sem palavras...

Decidi
Deixa-las crescerem,
Ainda bem que só aparei-as 
Não as arranquei de vez...

Bastará apenas
A minha aceitação de quem realmente sou
Abandonar o mundo de uma vez por todas, 
Tirar os meus pés do chão
E aceitar as  
*Poesias que falam ao coração*

Lucy Coelho