terça-feira, 23 de dezembro de 2014

A FLOR EM MEIO AOS ROCHEDOS



A flor em meio aos rochedos
Perdida em um penhasco…

 Assim é o amor
De uma mulher não correspondido,
Será solitário, mas não vazio,
Pois há o amanhecer,
O entardecer,
E o anoitecer.

 No amanhecer terá a brisa
Suave e a alva,
A primeira clareada do dia,
O nascente é só para ela
Que acorda pensativa...

 No entardecer terá o crepúsculo,
Terá para si as cores do azul do dia
E o escuro da noite e o som dos pássaros…

 No anoitecer terá a lua,
As estrelas e a certeza
De que amanhã será um novo dia.

 A flor em meio aos rochedos
Perdida em um penhasco…

 Assim é o amor
De uma mulher não correspondido,
Será solitário, mas não vazio.

 By
Lucy Coelho





sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

De onde vem?

De onde vem esse amor que arrebata?
De onde vem esse amor
Que não correspondido mata?

Esse amor é a minha maior aventura,
Porque não sei até onde pode me levar...

De onde vem esse amor
Que me fez prisioneiro
Em uma sela sem grades?
Esse amor que me faz querer,
Esse amor que me faz sofrer...

Eu só quero saber
De onde vem?

De onde vêm essas lágrimas
Que insistem em cair,
Só de pensar
Como quero você?

De onde vem esse ciúme cruel?
De onde vem o doce do sabor do mel?

Eu não sou de aventurar-me,
E aventurei-me em me apaixonar!...
Esse amor é minha maior aventura,
Porque não sei até onde pode me levar...

De onde vêm esses sonhos que não se concretizam?
De onde vêm esses devaneios de lindas aventuras?

Te amar
Deixou-me cheia de duvidas,
Te amar
É uma aventura,
E eu não sou de me aventurar...

De onde vem tanta ternura?
De onde vem esse amor
Que é loucura?

Eu só quero saber
De onde vem?

Te querer
Deixou-me cheia de duvidas,
Se o amor é uma loucura?! ...

De onde vem esse querer tanto?
De onde vem esse amar tanto?

De onde vem esse sorriso que me laça?
De onde vem esse meu jeito, meio sem graça?

Te querer é a minha maior aventura
E eu não sou de me aventurar...

De onde vem?

Lucy coelho



domingo, 7 de dezembro de 2014

É para toda vida...








Como em uma noite mágica,
Com uma suave brisa,
Acaricia-me,
A lua e as incontáveis estrelas
Em segredo nos contemplam,
São as nossas testemunhas 
Dos sussurros confessados e
Dos nossos segredos revelados.

Perco-me em teus beijos
E nos teus anseios dos meus abraços,
É para ti um laço,
Ah, amado meu
Estas preso a mim!

Simplesmente me enlouqueço
E te roubo o juízo,
Porque eu quero tudo outra vez!

A Lua me inveja,
Tão bela e tão solitária
É testemunha de tantos amores,
Dos amores consumados,
Dos não revelados
E dos amores impossíveis...

Queria a Lua não ser eterna,
Mas por uma vida ter
Um amor igual ao meu,
Que não é eterno,
Mas é para toda uma vida,
Um amor de  noites mágicas
E de suaves brisas.


Lucy Coelho









sábado, 6 de dezembro de 2014

Mar em chamas



O teu olhar
é flecha de cupido
inflamada com o puro fogo da paixão,
que me atingiu em cheio

no alvo certo da sedução!

Teu corpo é mar
de ondas calmas,
mas que em tuas mais profundas águas
guarda segredos...

E eu, sem medo, 
nele me jogo e, por inteiro, 
me molho, me arrepio...

Ah, mar bravio,
ao teu seduzir me rendo!
Quero me afogar em ti,
morrer de amor,
e continuar vivendo,

MAR EM CHAMAS 

De: Lucy Coelho e Roberta H. Suzigan